sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Rua Vaga


Perco-me.
Há algo no gracejo do vento que espirala as folhas.
Quebram-se-me os passos na calçada suja, no olhar os sonhos que para a terra deslizam como calha.
Anoiteço.
 Não mais pertenço aqui; sou Outono que o vento espiralou em mim, parada na rua vaga.

4 comentários:

Nanda disse...

Adorei o poema, adorei a fotografia! Tens que fazer um álbum com as fotos e os pensamentos, iria ficar o máximo! E foi o grito do dia dos 6 pauzinhos - 11.11.11!
Beijinhos!

Leda Dylluan disse...

Vou pensar no assunto do álbum.
Achei que hoje seria um bom dia para publicar um grito...

bjinhos.

Anónimo disse...

Por favor,

volte a escrever!

O pouco que li me fez bem!

Suas palavras me serviram de companhia por uma loooonga noite!

Caso queira entrar em contato:

e-mail: tiago_u2@hotmial.com

facebook: https://www.facebook.com/tiago.alcantara.37669?ref=tn_tnmn



Ass.: Tiago Alcântara Rodrigues

Leda Dylluan disse...

Espero em breve publicar mais um grito. Não escrevo quando quero; os "gritos" são pensamentos instantâneos que sinto sem os pensar.
Obrigada a todos os que me lêem.