quarta-feira, 7 de abril de 2010

Traças

A Luz e a Beleza envenenam a imaginação. Somos traças de asas ardidas na falsa chama do luar.

5 comentários:

Nanda disse...

Quero dizer que esta tua foto da Lua é simplesmente espantosa!

O poema de hoje é:

À Luz da Lua!

Iamos sós pela floresta amiga,
Onde em perfumes o luar se evola,
Olhando os céus, modesta rapariga!
Como as crianças ao sair da escola.

Em teus olhos dormentes de fadiga,
Meio cerrados como o olhar da rola,
Eu ia lendo essa ballada antiga
D'uns noivos mortos ao cingir da estola...

A Lua-a-Branca, que é tua avozinha,
Cobria com os seus os teus cabellos
E dava-te um aspeto de velhinha!

Que linda eras, o luar que o diga!
E eu compondo estes versos, tu a lel-os,
E ambos scismando na floresta amiga...

António Nobre, in 'Só'

Leda Dylluan disse...

Lindo poema!!! bjinhos :)

Erika Pinto disse...

Minha amiga Constança!

Adoro sua fotos. Essa da lua está fantástica...um tanto sombria...um tanto romântica...ai, ai. lol.

Beijos e queijos.

Erika.

Nanda disse...

Pois, Erika, acho que aquela Lua está um tanto "gótica", o giro é que eu gosto imenso daquele ambiente tipo fantasmagórico!

Bjs!

Leda Dylluan disse...

Obrigada pelos vossos comentários. Até hoje, este blog era secreto, nunca o tinha divulgado no face. Bjinhos às duas :)